sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Os Últimos Dias de Michael Jackson




Fragilizado, endividado e viciado em medicamentos, ele foi consumido por um único sonho: impressionar a todos com os melhores shows de todos os tempos

O corpo de Michael Jackson está sobre uma maca no necrotério, no centro de Los Angeles. Ele está vestido com calça preta brilhante, um avental hospitalar fino e nada mais. Os pés estão descalços e o braço esquerdo cheio de marcas de agulha. O tórax pálido e estreito está coberto de hematomas - evidências de esforços médicos nas últimas horas para salvar sua vida. Médicos e seguranças entram e saem da pequena sala onde está a maca, ansiosos por dar uma espiada no corpo de Jackson. Tudo havia começado na manhã daquela quinta-feira, quando o médico que morava com o cantor havia tentado freneticamente reanimá-lo. Quando os paramédicos chegaram, respondendo a uma ligação desesperada para o serviço de emergência 911 às 12h21, queriam pronunciar sua morte no ato.

Mas Michael Jackson não poderia estar morto. Seu corpo foi carregado para uma ambulância e levado ao UCLA Medical Center, onde uma equipe de médicos trabalhou por mais de uma hora, aplicando um desfibrilador no peito de Jackson, todos esperando que pudessem evitar que um dos maiores artistas da música terminasse naquele necrotério. O rosto de Jackson, que ele reconstruiu tão dolorosamente e escondeu do público por décadas, agora está à mostra, sem disfarce, sob as luzes fortes do necrotério. A prótese que normalmente acoplava a seu nariz danificado não estava ali, o que revelava pedaços de cartilagem cercando um pequeno buraco escuro. Mas, para quem passava pela sala, Michael finalmente estava descansando. "Vendo-o deitado ali", lembra uma testemunha, "ele parecia estar em paz".

Ainda era um dia antes da autópsia, quando patologistas o abririam para tentar entender por que um homem magro de 50 anos - que havia dançado por horas na noite anterior - morreu tão repentinamente. No entanto, enquanto Jackson estava no necrotério na tarde de 25 de junho, detetives já haviam entrado na mansão alugada pelo cantor em Bel-Air, recolhendo uma quantidade enorme de medicamentos que ele mantinha à mão. Mais assustadores eram os diversos relatos de que os dois sacos grandes de remédios que os investigadores levaram continham frascos de Diprivan, um anestésico potente utilizado em pacientes antes de cirurgias com anestesia geral. Diz-se que Jackson usava o Diprivan há anos para conseguir dormir, e a polícia de L os Angeles logo começou a investigar se sua morte deveria ser considerada um homicídio, deixando claro que queria questionar o médico do cantor, Conrad Murray. Murray havia exigido US$ 1 milhão por mês para trabalhar para Jackson - e desapareceu depois que seu cliente foi pronunciado morto na sala de emergência do UCLA.

Horas depois da morte de Michael, LaToya Jackson supostamente foi à casa do irmão, procurando ansiosamente por malas de dinheiro que sabia que ele mantinha ali e, em questão de dias, a mãe deles foi aos tribunais para lutar pelo controle do patrimônio de Jackson e pela custódia de seus três filhos. As crianças haviam seguido Jackson até o hospital em um Escalade azul e quem lhes contou que seu pai havia morrido foi o empresário de Michael, Frank DiLeo, que quase desmaiou quando uma enfermeira lhe deu a notícia. Este era o Michael Jackson que o mundo conhecia e ridicularizava: a família maluca, as plásticas malfeitas, os dois divórcios, as acusações de abuso contra menores, os problemas financeiros que o deixaram com uma dívida estimada em US$ 500 milhões.

Mas Michael tinha uma opinião diferente. Em seus últimos dias, não apenas sonhava comum retorno, mas também trabalhou o máximo que conseguia para realizar isso, talvez tanto quanto sempre fizera. Compôs novas músicas, ensaiou por horas a fio para aperfeiçoar os shows que pagariam suas dívidas e marcariam seu retorno ao topo do panteão e planejou cada detalhe de sua turnê de retorno - um espetáculo imenso que já havia custado pelo menos US$ 25 milhões só em pré-produção, Jackson deu à sua turnê um nome que já dizia tudo: This Is It. Jackson sabia o que as pessoas pensavam dele e as faria mudar de percepção, como havia feito várias vezes. Nos últimos meses de sua vida, Jackson não pensava em nada além da turnê, e as pessoas que amava e em quem confiava tinham certeza de que este era o momento pelo qual esperava.

*************
Minhas considerações:
1ª Fragilizado, endividado e viciado - Homem que aparece na foto divulgada de 2 ou 3 dias antes de sua morte é um homem ativo, nada de fragilizado - Já sabemos que com um estalo de deos MJ pagava toda sua divida (endividada sou eu que tenho que vender o almoço para pagar o jantar) - Um homem que usa grande quantidade de remedios deve ser um homem totalamente diferente do video ou das fotos divulgadas.

2ª Só MJ para sair de calça de pijama e dormir com calça preta brilhante
3ª Médicos e seguranças entram e saem da pequena sala onde está a maca, ansiosos por dar uma espiada no corpo de Jackson. - RI ALTO Ninguem tirou uma foto para mostrar para a namorada mulher mãe pai ou vender por milhoes???
4ª queriam pronunciar sua morte no ato. - Se já estava morto, pq levar para o hospital?
5ª onde uma equipe de médicos trabalhou por mais de uma hora. - Se já estava morto, o tempo que os paramedicos ficaram na casa e mais o tempo que os medicos trabalharam... Não quero pensar no resulatado se eles conseguissem salvar MJ.
6ª prótese que normalmente acoplava a seu nariz danificado não estava ali, o que revelava pedaços de cartilagem cercando um pequeno buraco escuro. - PUTA QUE PARIU para aqui!!!!

Não posso para tenho que falar das crianças
7ª As crianças haviam seguido Jackson até o hospital - Como assim Bial??? As crianças não estavam na casa, depois vem o cozinheiro e fala que as crianças estavam e agora essa que elas estavam no hospital. Essa é nova, pq ninguem havia falado que as crianças estavam no hospital.

Um comentário:

  1. 3ª Médicos e seguranças entram e saem da pequena sala onde está a maca, ansiosos por dar uma espiada no corpo de Jackson. - RI ALTO Ninguem tirou uma foto para mostrar para a namorada mulher mãe pai ou vender por milhoes???

    Concordo, já que a torcida do Maracanã toda viu MJ, ninguém tirou foto no País do paparrazi, onde esta foto vale milhões.

    A controvérsias nesta reportagem... Bjs

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Michael Jackson está vivo?